PUBLICAÇÕES

Pastoral da Mulher de BH é eleita para o Comitê Interinstitucional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas de MG (CIETP-MG)

Compartilhar

???????????????????????????????

Na tarde desta quarta feira (16) , Lucinete Santos, da Pastoral da Mulher de BH ( Unidade Oblata em Minas Gerais) foi eleita para integrar o Comitê Interinstitucional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas de MG.

A história da Pastoral da Mulher de Belo Horizonte nestes últimos anos  tem forte relação com a promoção de ações e a construção das políticas públicas para a prevenção do tráfico de seres humanos . Boa mostra disso é o Projeto “Diálogos pela liberdade” implementado neste ano  pela nossa Entidade, com apoio do Ministério de Justiça e do UNODC para  levar informação à população, fomentando a área de conhecimento sobre direitos da mulher, sensibilização contra a violência e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, além de realizar ações de prevenção, debates e encontros para formar agentes multiplicadores.

Por esse motivo, a Pastoral apresentou sua candidatura para a seleção de representantes da Sociedade Civil Organizada, das Instituições de Ensino Superior e das Entidades Representativas de Classe para compor o Comitê Interinstitucional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (CIETP/MG), conforme previsto no Decreto Estadual nº 46.439, de 12 de fevereiro de 2014.

O Comitê é um espaço colegiado que tem a finalidade de articular ações governamentais de enfrentamento ao tráfico de pessoas por meio da conjunção de esforços do poder público e da sociedade civil nas diversas áreas relacionadas à temática do tráfico de pessoas, com o objetivo de implantar, executar, subsidiar, monitorar e avaliar as políticas públicas de enfrentamento ao tráfico de pessoas em todo o Estado. Essa políticas são relativas à prevenção, atenção àqueles em situação de tráfico de pessoas e aos seus familiares, bem como à repressão e responsabilização dos autores deste crime.

Cada instituição dispôs de 10 minutos para apresentar suas atividades e motivação para  a candidatura. Cinco entidades representativas da Sociedade Civil foram eleitas. Por número de votos foram as seguintes: Movimento Nacional de Direitos Humanos,  Pastoral da Mulher de BH, JOCUM,  Providência Nossa Senhora da Conceição e Centro Zamni do Serviço Jesuíta a Refugiados.

Como representante de Instituições de Ensino Superior foi eleita a Universidade Federal de Uberlândia – Centro de Referência em Violência e Segurança.

??????????????????????????????? ???????????????????????????????

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Diálogos pela Liberdade – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais. 

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *