PUBLICAÇÕES

Diálogos na Dom Helder Câmara inaugura exposição Meninas do Brasil

Compartilhar

A exposição “Meninas do Brasil” foi inaugurada nesta quarta-feira (3) na Escola Superior Dom Helder Câmara, em Belo Horizonte. Sensibilidade, reflexão e espaço para o diálogo descrevem a palestra de abertura do artista Geraldo Lacerdine, que expressou por meio de suas telas as histórias de vidas de mulheres silenciadas pelo abandono ou pela exclusão social.

“Com a mesma sensibilidade e energia apresentadas nas pinturas, Lacerdine ‘quebrou o protocolo’ e transformou a solenidade de abertura em um grande e divertido ‘diálogo’. A leveza, no entanto, não ofuscou a gravidade e importância dos assuntos em debate: ‘a busca do humano quando não há perspectivas de horizonte’, título da palestra de Lacerdine; e o tráfico de pessoas, tema geral do evento ‘Diálogos pela Liberdade’.” (Redação Dom Total)

A solenidade de abertura contou ainda com a participação do professor Francisco Haas, pró-reitor de extensão da Escola e mediador dos debates; Ana Cláudia Alexandre, defensora Pública da DPE/MG; Olga Colipe, Superiora Provincial das Irmãs Oblatas de Belo Horizonte; Jose Manuel Lazaro Uriol, coordenador da Pastoral da Mulher; e Durval Ângelo, presidente da comissão de direitos humanos ALMG. O professor Francisco Haas destacou a honra de receber os eventos e completou: “as mulheres são as principais vítimas ligadas às violações dos Direitos Humanos”, e acredito que essa iniciativa contribui para que elas tenham seus direitos preservados”.

Durval Ângelo citou o crescimento de casos ligados ao tráfico de pessoas em regiões de cultivo de café no sul de Minas Gerais. “Antes, essas denúncias se concentravam nas lavouras de cana-de-açúcar e regiões mais pobres do Estado.  Agora estão se espalhando. A construção civil também tem apresentando muitos casos de violações”, apontou. (Redação Dom Total)

Fotos: AssCom Oblatas

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Diálogos pela Liberdade – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais. 

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *