PUBLICAÇÕES

Delegada da Mulher fala sobre violência e machismo

Compartilhar

IMG_3916

Esta terça feira (25) Luísa de Oliveira Drumond, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher/DEAM de Belo Horizonte (representando à Chefe desta Divisão Especializada, Dra Danubia Helena Quadros.) participou de um bate papo com um grupo de mulheres acompanhadas pelo Projeto Oblata Diálogos pela Liberdade.

IMG_3919

Com uma abordagem leve e descontraída, ela relatou sua experiência na Delegacia da Mulher  e mostrou com exemplos do cotidiano o quanto o machismo ainda está enraizado na cultura brasileira. Também foram discutidas questões como feminismo, violência contra a mulher, o papel da Delegacia da Mulher e a importância da denúncia em casos de crime contra a mulher.

IMG_3922

Destacou a necessidade de  que as mulheres fiquem atentas aos sinais, como excesso de ciúme e controle, que podem indicar uma relação doentia. Quem vive relacionamentos em que o parceiro controla a roupa, o comportamento ou o celular, deve ficar atenta.  Combater o machismo é o passo mais importante para combater a violência contra as mulheres.  Também sublinhou a necessidade de reunir  provas para a comprovação do crime, e não deixar e que o preconceito que sofrem as garotas de programa lhes condicione na hora de denunciar agressões. “Não podemos ter vergonha de denunciar, pedir ajuda e correr atrás”, ressaltou.

IMG_3923

Em caso de dúvida sobre como buscar ajuda ou ajudar vítimas de violência doméstica, Ligue 180.

 

 

 

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Diálogos pela Liberdade – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais. 

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *