Sem categoria

38 Anos na luta pela justiça social

Compartilhar

Acreditamos no diálogo como forma de superação dos conflitos, do preconceito e da exclusão social.

 

É como muita alegria que hoje comemoramos 38 anos de atuação em Belo horizonte, tendo como missão a defesa dos direitos humanos das mulheres que exercem a prostituição. Nos comprometemos com a missão, a partir de valores cristãos, na luta em prol da justiça social para as mulheres que exercem a prostituição.

No dia 20/08/2020, celebramos o aniversário com os voluntários. Foi um momento enriquecedor, partilhamos as ações realizadas pela Unidade Diálogos e as realidades das mulheres em tempo de pandemia, elaboração de novas formas de atender e acompanhar as mulheres, etc.

Mesmo diante da pandemia e toda a equipe atuando home office, não poderíamos deixar de celebrar essa importante data, desse modo, elaboramos um emocionante vídeo contendo lindas fotos da nossa trajetória e depoimentos de mulheres atendidas pela unidade:

Agradecemos a todos que contribuíram e fizeram parte da missão oblata em Belo Horizonte.

O seguimento de Jesus Redentor e as mulheres nos mostram o caminho a seguir

Quer saber mais sobre a unidade Diálogos pela Liberdade clique aqui

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Diálogos pela Liberdade – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais. 

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *